14/09/2017

Com relação aos desagradáveis fatos ocorridos nesta quarta-feira (13), no Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Alice de Araújo, a direção da Autarquia Municipal de educação emitiu nota com esclarecimentos.

De acordo com a nota, a mãe de um menino de 3 anos de idade, matriculado no CMEI, chegou ao local no início da manhã e, ao avistar algumas assistentes infantis já partiu na sua direção. Ato contínuo, a mãe agrediu uma delas com um soco no rosto e ainda rasgou sua roupa. Outras duas assistentes conseguiram correr e escaparam da agressão.

Após a agressão ela justificou que o seu filho teria “apanhado” no CMEI. Segundo ela, uma colega disse ter ouvido falar a respeito disso no dia anterior.

Na nota, a AME assegura que a criança não sofreu qualquer agressão e nem marcas no seu corpo havia.  “A mãe, ou a família, não procuraram a direção do CMEI e nem a AME. A assistente infantil agredida e outras ofendidas representaram contra a mãe na 17ª SDP”, relata a direção da autarquia.

Entre as providências adotadas após os fatos, a direção da AME se reuniu com os servidores e os pais de alunos para tranqüilizar a todos e prestar esclarecimentos sobre o ocorrido. A Guarda Municipal também foi chamada para garantir a segurança dos servidores. A mãe da criança acabou sendo detida pela Polícia Militar, por desacato e agressão contra um policial.

Da reunião participou a secretária de educação, Marli Fernandes; a Dra. Elaine Caliman, do Departamento Jurídico da AME, e outras integrantes da diretoria da autarquia. Uma sindicância interna está sendo instaurada para apurar minuciosamente os fatos.

O que achou desta notícia ? Deixe um comentário.
  1. Conheço o trabalho dessas professoras e sei que são qualificadas para seu cargo e o carinho que cuidam dessas crianças … Crianças correm , andam, pula e estão sujeitos a caírem e se machucar, acho que tem muitas mães que coloca o filho na creche e não trabalha fora… Então se não trabalha pra que tirar a criança dá cama cedo ???? Criança na creche e pra quem trabalha….!!! Sei que não são todas, sem querer generalizar ,mas nossas escolas e creches estão bem estruturadas e com profissionais pedagógicamente preparados para atender essas nossas crianças …

  2. É muito triste isso que aconteceu ,mais vou falar um acontacontecido quando minha filha tinha três anos estava em um cmi um dia ela chegou com o olho roxo como tivesse levado um soco ninguém sobe explicar o que aconteceu minha filha quase fico cega não é exajeiro pois realmente aconteceu. Antes de condenar esta mulher deveria apurar o acontecido.

  3. Eu fico muito triste com o acontecido. não era para tanto.independente da agressão , que sou contra . nós que moramos no Sumatra 1 ,2. estamos sofrendo muito descriminação. por causa de ums poucos.

  4. É simples e só pegar o histórico da servidora e o histórico da mãe da criança, é o primeiro passo nesse primeiro passo a mãe já saíu perdendo…….vamos as fichas das duas……

  5. A falta de informação verídica e o desrespeito geram conflitos e os dois lados saem perdendo. O que eu sei é que existem bons servidores, que exercem a função com competência e dedicação, e também que a população merece um atendimento dos setores públicos com qualidade e profissionais treinados e especializadosl e com a estrutura física e insumos adequados.
    É comum que ao nos depararmos com um fato dessa natureza procuremos culpados. Será o funcionário que trabalha sob pressão, porque o quadro de profissionais é limitado e este tem que fazer mais atendimentos do que a sua capacidade, ou que tem o salário defasado, ou mesmo não tem condições de trabalho, onde a estrutura física é precária e ele faz o que está ao seu alcance, e impossibilitado de fazer o ideal faz o possível? A culpa será dessa mãe que chega à creche abalada emocionalmente ao saber por outra pessoa que seu filho sofreu agressao? O descontrole exaltado, com um elevado nível de estresse, e o ambiente desfavorável pode colaborar para a falta de compostura. A fúria pode trazer consequências inimagináveis. Profissionais e usuários, ao se depararem com uma situação de violência devem registrar o Boletim de Ocorrência para se resguardarem de problemas futuros. Trabalhar com medo não é a condição ideal para se prestar um bom serviço à população. A desassistência aos órgão publicos está no limite da tolerância para ambos. O artigo 331 do Decreto Lei nº 2.848 de 07 de dezembro de 1940 reza que desacatar funcionário público no exercício da função ou em razão dela culmina na pena de detenção, de seis meses a dois anos, ou multa. O Supremo Tribunal Federal (STF) recentemente por decisão unânime descriminalizou o crime de desacato ao servidor público, baseado nos acordos internacionais de direitos humanos do qual o Brasil é signatário e com base no artigo 5º da Constituição Federal, mas especialmente como direito individual a livre manifestação do pensamento com as devidas respostas e cominações legais em caso de ofender a honra e a imagem das pessoas. O caso particular aventado pela imprensa se tratou de agressão física (lesão corporal), portanto com certeza um crime devidamente tipificado no Código Penal! Seria interessante que as pessoas invés de discutirem e agredirem, devem representar o mal serviço prestado a ouvidoria dos órgãos como forma de garantir o respeito ao seu direito! Embora eu deva reconhecer os valorosos trabalhos prestados pelos atendentes, educadores e professores infantis nas creches e o pessoal do apoio que muitas vezes trabalham ordeiramente e sem condições! Somente para esclarecer: o STF é a mais alta corte da justiça brasileira e tem atribuição de guardiã da constituição!
    Carlos Diaz bacharel em direito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *