23/06/2014

Uma árvore pequenina, com formas bem definidas, colocada em um vaso de cerâmica que de imediato nos remete ao Oriente.

Apesar de tudo isso vir à cabeça quando se pensa em bonsai, há muito mais a saber. Primeiro, é preciso ter em mente que, segundo a tradição, se trata de uma arte; o bonsai é uma escultura viva. E entender as necessidades e o funcionamento da planta é fundamental para sua sobrevivência. Segundo, ter um em casa é menos difícil do que se imagina, desde que tomados alguns cuidados. “Ninguém precisa ser escravo do bonsai. Só esteja atento a três questões: sol, água e adubação”, assegura a bonsaísta Juliana Okuda, do Clube do Bonsai.

“Não é difícil cuidar do bonsai, isso é um mito brasileiro. Só é preciso ter disciplina”, garante Marcio Augusto de Azevedo, cultivador há mais de 15 anos. Para ele, o importante é seguir um conjunto de cuidados interligados: além dos citados por Juliana, “poda regular, no mínimo a cada 15 dias, e troca de terra a cada 2 anos”.

“Um bonsai não é de forma alguma frágil, mas ele vive em condições especiais: precisa de muito sol estando em um solo com pouca reserva de água. O resultado é que, se você não cuidar da planta diariamente, ela morre. Mas de quanto tempo ela precisa? Só 30 segundos por dia, o que inclui o Natal, o réveillon, o carnaval e o dia do jogo da seleção”, explica o especialista Fábio Antakly Noronha.

Trabalhando com bonsai há quase duas décadas, a bonsaísta Regina Suzuki precisou ir ao Japão para aprimorar as técnicas. “São necessários pelo menos dez anos de dedicação para o mestre o considerar um discípulo. Você aprende o que a planta precisa no dia a dia, já que o mestre não ensina tudo. O japonês diz que, por ser uma arte, você tem que ‘roubá-la’ do mestre”, explica.

Antes de viajar para a terra do sol nascente, Regina havia acompanhado o mestre Osamu Hidaka em seu trabalho com o pinheiro-negro, uma espécie clássica de bonsai, em Atibaia. “Meus pais eram amigos do mestre Hidaka, mas cultivavam outras plantas, não o bonsai. Fui a primeira da família a me interessar pela arte”, conta. Foi também em Atibaia que ela montou seu próprio viveiro, há 18 anos.

Com Hidaka, Regina aprendeu os princípios mais básicos, que servem para qualquer um que queira iniciar o cultivo do bonsai. Primeiro, comece fazendo a limpeza da árvore, arrancando as pequenas plantas ‘parasitas’ que nascem ao redor do tronco, e a deixe tomar sol. Depois, tente apreender qual é a necessidade de água da planta, que varia de uma para outra, e adube pelo menos uma vez ao mês. “A rega depende do clima. Então a regra é: quando a terra estiver seca, molhe”, instrui Juliana. “E, se não encontrar adubos específicos para bonsai, escolha um que seja para plantas envasadas.” Segundo Azevedo, “em 99,9% dos casos de morte do bonsai, o problema foi a falta de água”.

Bonsai bonito em casa, mas é preciso cuidar

O que achou desta notícia ? Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *