23/03/2019

O Governo do Estado entregou nesta sexta-feira (22) equipamentos para a Colônia de Pescadores Z-5, em Pontal do Paraná, que devem aumentar a renda e melhorar a estrutura de trabalho na localidade.

O valor total do projeto é de R$ 221 mil, sendo R$ 216,8 mil o repasse da Secretaria de Estado da Agricultura e R$ 4,4 mil de contrapartida da colônia.

Segundo o secretário estadual da Agricultura, Norberto Ortigara, que participou do evento, o valor inclui aquisição de mobiliário e equipamento de informática; capacitação; aquisição de malhas de rede; aquisição de equipamentos e trator. O objetivo é fortalecer a colônia e dar apoio à pesca artesanal local, beneficiando diretamente 110 pescadores e indiretamente os 267 que integram a entidade, disse o Ortigara.

A colônia foi classificada pelo edital do programa Mais Renda no Campo, lançado em 2017 pelo Departamento de Segurança Alimentar e Nutricional (Desan) da Secretaria. Foram adquiridos 44 freezers, um trator, redes para pesca, mesas cadeiras, armários, computadores e impressoras. “O projeto desenvolvido cria oportunidades para melhor comercialização do pescado oriundo da pesca artesanal em Pontal do Paraná, bem como fortalecer e equipar a Colônia de Pescadores”, afirmou o secretário.

A pesca é desenvolvida no município por pescadores artesanais que comercializam sua produção em bancas locais ou para revendedores que levam a produção a outros municípios, como Paranaguá e Curitiba.

Segundo os dados mais recentes do Departamento de Economia Rural (Deral), em 2017 Pontal do Paraná pescou 576 toneladas. Além da importância econômica, a pesca é uma das mais antigas atividades do município.

No entanto, o poder econômico das famílias de pescadores é menor quando comparado com outras atividades. “Diante desse cenário, o projeto apresentou o objetivo de trabalhar em três frentes, fortalecimento institucional, melhora nas práticas de pesca e melhor qualidade no pescado”, explica a diretora do Departamento de Segurança Alimentar e Nutricional (Desan), Márcia Stolarski.

O trator deve colaborar para a retirada das embarcações do mar com rapidez e menos esforço, e as redes aumentarão a capacidade de produção, com efeito positivo sobre a renda das famílias. Os freezers potencializam a capacidade de armazenamento e comercialização.

O chefe do Núcleo Regional de Paranaguá, Maurício Tadeu Lunardon, disse que a Secretaria colaborou para a tramitação do termo de fomento, em parceria com o Desan. “Foi um trabalho intenso para se adequar às exigências. O associativismo entre os pescadores será fortalecido”, explica. Além disso, serão promovidos cursos de capacitação para manutenção de pescado e sobre gestão financeira.

A Emater desenvolve há anos trabalhos de assistência técnica junto aos pescadores da região e acompanhou o projeto desde o início, como explica o extensionista Charles Fernando Marins Peixoto. “Na publicação do edital do Desan, nós vislumbramos um sonho que tínhamos de estruturar a cadeia produtiva da pesca, com foco nos gargalos da cadeia, como armazenamento e recepção de peixe”, diz.

Segundo o presidente da Colônia, Rubens Marcelino da Veiga, o projeto vai beneficiar nove comunidades: Maciel, Atami, Praia de Leste, Ipanema, Pontal do Sul, Shangri-la, Guapê, Barrancos e Carmeri. “Nós enfrentaríamos dificuldade para comprar esses materiais, que são de alto valor. A pesca terá muitas melhorias, e os móveis e computadores ajudarão a estruturar a sede da colônia, melhorando o atendimento aos associados”, disse.

MAIS RENDA NO CAMPO – O Programa Mais Renda no Campo apoiou 56 projetos de organizações da agricultura familiar, com o objetivo de promover a geração de renda e desenvolvimento local, reduzir a pobreza e as desigualdades sociais, ampliar e diversificar a produção e o acesso a alimentos de qualidade, com um investimento total de R$ 9 milhões.

O que achou desta notícia ? Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *