23/03/2019

O Complexo Penitenciário de Piraquara, localizado na Região Metropolitana de Curitiba e considerado o maior do Estado, com cerca de 7 mil presos, passa por obras de ampliação para a criação de novas vagas no sistema prisional e os projetos que objetivam a ressocialização do preso.

Nesta sexta-feira (22), o secretário da Segurança Pública e Administração Penitenciária, Luiz Felipe Carbonell, esteve no local para acompanhar o andamento dos trabalhos.

“Precisamos atuar em diversas frentes para que o sistema prisional funcione de forma adequada. Hoje temos várias obras em andamento, além de parcerias com instituições e indústrias, com o objetivo de preparar o preso para o retorno em sociedade e acelerar seu processo de progressão. Precisamos manter mecanismos para que o apenado pague a sua conta com a sociedade, volte a integrá-la e não retorne para o sistema”, afirmou Carbonell.

Ele esteve na Penitenciária Feminina, onde conheceu o espaço Estação Casa, que funciona em parceria com a Rede Marista de Solidariedade e atende mulheres lactantes e gestantes, junto com seus filhos. Ainda, acompanhou uma Visita Virtual, projeto que permite que as detentas que não recebem visitas mantenham contato com seus familiares por meio de chamada de vídeo pela internet.

OBRAS – O secretário também acompanhou as obras de construção do Centro de Integração Social de Piraquara, que estão em fase final, e a de ampliação da Penitenciária Estadual de Piraquara II, com término previsto ainda para este ano. Com a conclusão das duas obras, serão geradas mais de 700 novas vagas no sistema penitenciário.

PROJETOS – A comitiva visitou um projeto de mecanização de abertura das portas que está sendo instalado na Penitenciária Estadual de Piraquara. A iniciativa permitirá que os agentes penitenciários movimentem os presos com mais segurança, sem a necessidade de contato direto. Também conheceu a base do Serviço de Operações Especiais (SOE), grupo de elite do sistema prisional que atua em situações de crise, e acompanhou o sexto curso de formação do grupo.

Outro projeto foi a Penitenciária Central do Estado – Unidade de Progressão (PCE-UP), considerada modelo em tratamento penal no país, que mantém 100% dos presos ocupados em atividades de ensino e trabalho. O projeto completa dois anos neste mês de março e já foi replicado para outras regiões do Paraná.

O último espaço percorrido foi o Complexo Médico Penal, estrutura que abriga o Hospital Penitenciário, destinado ao tratamento médico de presos. O prédio passa por uma revitalização, que contempla a substituição da rede de esgoto, galerias pluviais, piso, revestimentos, louças, parte elétrica e pintura. A obra está em fase final e deve ser entregue nas próximas semanas.

“Fiquei impressionado com a motivação dos servidores, dos agentes penitenciários, de todos que compõem as equipes que hoje trabalham no Complexo. Nos empenharemos ainda mais para oferecer meios adequados para que possamos aprimorar os serviços e o atendimento ao apenado”, disse o secretário.

A vistoria foi acompanhada do diretor do Depen, Francisco Caricati, do supervisor do GMF do Tribunal de Justiça do Paraná, desembargador Ruy Muggiati, das procuradoras do Estado, Leticia Ferreira da Silva, Ana Claudia Bento Graf e Marina Cristina Bartnack Roderjan, além de diretores de unidades penais.

O que achou desta notícia ? Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *